17 dezembro 2017

0064 - RESISTO






Tenho feito sumários. Quase diários.

Tenho feito pequenas redacções. Tenho reprimido escondidas emoções.

Tenho lido e relido toda a matéria no passado recente, dada.

Mas não consigo deixar de me sentir no papel desta rosa na tua boca aprisionada.

A saudade de ti, nunca será efémera.

Depois, eu sempre vou vendo e revendo a menina de olhar doce e sensual que os meus olhos desnudam, me fazendo então ver...

Uma mulher. com um corpo belo e fatal.

És tão perfeita.

És tão envolvente.

És um desejo sempre em mim e em qualquer outro homem de bom gosto lactente.

És como mulher, uma figura imponente.

És uma mulher!

Que me domina sem seres, dominadora.

Que me conduzes para uma paixão perigosa e avassaladora.

Porquê?

Porque nos teus braços descansando de todos os meus sexuais cansaços, nada te poderia negar.

Todos os teus desejos e caprichos, teria de realizar.

Resisto.

Não que isso me fosse incomodar. Apenas e só pelo medo de me magoar.

De não conseguir medir por agora os estragos que a tua partida um dia iria em mim causar.

Estas são, as palavras que para ti... acabei de desenhar.

Não se se elas te vão ou não agradar.

S@SI







063 - EXÓTICA LUXURIA





Sempre foi grandiosa a minha vontade de ter o teu esbelto corpo de Mulher…

Sempre foi grande a minha avidez, de o possuir nem que seja apenas e só, por uma única vez.

Sempre foi grande o desejo de o percorrer de forma astuciosa e lenta, como se fosse uma pequena aranha insaciável e sedenta.

Uma aranha que te arrepia e asfixia.
Uma aranha que te vai envolvendo e sobre o teu corpo teias de carinho e prazer vai tecendo.

E foi assim, que contigo procedi quando na mesma cama, o teu corpo o meu recebeu.

Comecei por interpretar todos os teus anseios…
Depois acompanhei-te na loucura dos teus devaneios…
E mais tarde, mergulhei com prazer, alegria e fúria… na tua exótica luxúria.

Quando te rodeei da carinhos e de preliminares longos e feitos de forma certa, logo te transformei numa fera felina, ávida e ao prazer aberta.
...
Já nos teus braços aconchegado e nas tuas coxas enlaçado, te fiz sentir um quente prazer mas também um nó apertado, enquanto o teu corpo ia invadindo ao mesmo tempo que tu baixinho ias gemendo e sorrindo

Sim!
Por muito tempo a tua libido instiguei e depois com imensa voracidade, te provei e devorei.
.

Teu sexo,

Foi a fornalha que com as suas chamas quentes apurou a têmpera do meu apêndice físico.
Foi o meu cálice de prazer onde sempre gosto de deixar meu sexo a embeber.
Foi o caldeirão onde bebi paixão e derramei a seiva do meu prazer.
.
s@si

062 - ESTADOS DE ALMA





Durante as minhas horas de solidão existe sempre um momento em que vejo com uma clarividência gelada toda a minha vida presente e passada.

As coisas que fiz, e faço, tomam então a clareza de uma síntese que rapidamente me permite avaliar o certo e o errado.

Por vezes fico gelado e num espanto profundo, com tantos erros cometidos.

Poucas são as vezes que gosto na verdade de fazer este exercício de análise, e na maioria das vezes em que o faço, tento logo desembaraçar o espírito desta apreciação sobre os meus actos que nunca para de me chocar.

Sobre ti, questionei num desses momentos, os verdadeiros motivos da minha cega paixão.

Uma paixão violenta, dolorosa e obsessiva … e encontrei como motivos principais:

A tua fascinante beleza corporal,

O feitiço permanente desses teus olhos inquietos, profundamente verdes e terrivelmente sedutores,

Essas grandes pestana negras, sempre com um toque soberbo de um rímel que deliciosamente as tornava mais pretas e longas,

A beleza inquietante dos teus pequenos, e pontiagudos, seios de mulher,

O manto sedoso e brilhante desses teus longos cabelos pretos que por completo te cobriam os ombros,

O permanente estado de excitação que tu me fazias sentir,

A atracção profunda e comovida que exercias sobre mim.
Depois a teu lado, existia sempre:

Tranquilidade, felicidade, desejo, prazer, cumplicidade e emoção….


ESTADOS DE ALMA,

que exerciam sobre mim, uma forma de vida diferente da experimentada com outras mulheres.

s@si



061 - O BEIJO E A LÁGRIMA






Querida Amiga.

Obrigado pelos seus presentes.

São de facto lindas fotos.

Obrigado também por manter o seu espaço ecologicamente limpo de imagens que em nada lhe dariam brilho e encanto.

Retenho o meu pensamento num pequeno texto que fala de beijos e lágrimas.

De facto o beijo:

Pode ser dado com tristeza ou alegria...

Pode ser dado com muita ou pouca hipocrisia...

Até pode ser roubado vendido ou comprado.

Muitas vezes ele nos, fala de paixão mas muitas outras torna-se rapidamente uma profunda desilusão.

Por isso beijos com intento, sinceros e de esperança... tenho para mim que só mesmo dados por uma criança.

Já a lágrima:

Pode também ser como o beijo.

Apelar ao sentimento mas não passar tudo de um grande e encenado fingimento.


s@si

02 novembro 2017

0060 - A CRUZ






Em tempos longínquos, um grupo de pessoas caminhava, carregando cada um uma grande cruz às costas, rumo a um lugar prometido como de grande felicidade.

Havia no entanto no meio desse grupo um homem que resolveu ficar para trás para poder cortar um pedaço da sua cruz, para que ela ficasse mais leve.

Mas quando o homem Iniciou novamente a caminhada depressa começou de novo a sentir que a cruz era pesada.

Decidiu então parar e cortar mais um bocado.

Mas mal iniciou a caminhada de novo sentiu a cruz pesada e assim atrás de um pedaço outro cortava.

Até que…

A sua cruz ficou pequena, leve e fácil de transportar.

Dias depois o grupo de pessoas chegou á beira de um grande precipício.

Saltar de um lado para o outro era de todo impossível.

Foi então, que alguém descobriu que a largura do precipício era igual ao comprimento da sua cruz.

E assim…

Um a um todos fizeram a sua travessia para a terra prometida.

Mas aquele que havia resolvido diminuir o peso e consequentemente o tamanho da sua cruz não pode com ela fazer a travessia tão desejada.

Percebeu tardiamente aquele desleixado homem que cada um deve carregar a sua cruz ou correrá o rico de ficar a meio da estrada nunca podendo acabar a sua caminhada.

Contos e fábulas
ESOPO

0059 - MEU AMOR






Considera, meu amor, a que ponto chegou a tua imprevidência.
Desgraçado, foste enga­nado e enganaste-me com falsas esperanças.

Uma paixão de que esperaste tanto prazer não é agora mais que desespero mortal, só compa­rável à crueldade da ausência que o causa.

Há-de então este afastamento, para o qual a minha dor, por mais subtil que seja, não en­controu nome bastante lamentável, privar-me para sempre de me debruçar nuns olhos onde já vai tanto amor, que despertavam em mim emoções que me enchiam de alegria, que bas­tavam para meu contentamento e valiam, en­fim, tudo quanto há?
...
Ai! os meus estão pri­vados da única luz que os alumiava, só lágri­mas lhes restam, e chorar é o único uso que faço deles, desde que soube que te havias 
deci­dido a um afastamento tão insuportável que me matará em pouco tempo.

Parece-me, no entanto, que até ao sofri­mento, de que és a única causa, já vou tendo afeição.

Mal te vi a minha vida foi tua, e chego a ter prazer em sacrificar-ta.
...
Mil vezes ao dia os meus suspiros vão ao teu encontro, procuram-te por toda a parte e, em troca de tanto desassossego, só me trazem sinais da minha má fortuna, que cruelmente não me consente qualquer engano e me diz a todo o momento: Cessa, pobre Mariana, cessa de te mortificar em vão, e de procurar um amante que não voltarás a ver, que atravessou mares para te fugir, que está em França rodeado de prazeres, que não pensa um só instante nas tuas mágoas, que dispensa todo este arrebata­mento e nem sequer sabe agradecer-to.

Mas não, não me resolvo a pensar tão mal de ti e estou por de mais empenhada em te justificar. 
Nem quero imaginar que me esqueceste.

Não sou já bem desgraçada sem o tormento de fal­sas suspeitas?
...
E porque hei-de eu procurar esquecer todo o desvelo com que me manifes­tavas o teu amor?

Tão deslumbrada fiquei com os teus cuidados que bem ingrata seria se não te quisesse com desvario igual ao que me leva­va a minha paixão quando me davas provas da tua.

Como é possível que a lembrança de mo­mentos tão belos se tenha tornado tão cruel?
E que, contra a sua natureza, sirva agora só para me torturar o coração?
Ai a tua última carta reduziu-o a um estado bem singular: bateu de tal forma que parecia querer fugir-me para te ir procurar.
...
Fiquei tão prostrada de comoção que durante mais de três horas todos os meus sentidos me abandonaram: recusava uma vida que tenho de perder por ti, já que para ti a não posso guardar.

Enfim, voltei, contra vontade, a ver a luz: agradava-me sentir que morria de amor, e, além do mais, era um alívio não voltar a ser posta em frente do meu coração despedaçado pela dor da tua ausência.

Depois deste acidente tenho padecido muito; mas como poderei deixar de sofrer enquanto não te vir?
...
Suporto, confundo o meu mal sem me queixar, porque me vem de ti.
...
É então isto que me dás em troca de tanto amor?
...
Mas não importa, estou resolvida a adorar-te toda a vida e a não ver seja quem for, e asseguro-te que seria melhor para ti não amares mais ninguém.
Poderias contentar-te com uma paixão menos ardente que a minha?
...
Talvez encontrasses mais beleza (houve um tempo, no entanto, em que me dizias que eu era muito bonita), mas não encontrarias nunca tanto amor, e tudo o mais não é nada.

Não enchas as tuas cartas de coisas inú­teis, nem me voltes a pedir que me lembre de ti.
Eu não te posso esquecer, e não esqueço também a esperança que me deste de vires passar algum tempo comigo.

Ai! Porque não queres passar a vida inteira ao pé de mim?
Se me fosse possível sair deste malfadado con­vento, não esperaria em Portugal pelo cumpri­mento da tua promessa: iria eu, sem guardar nenhuma conveniência, procurar-te, e seguir­-te, e amar-te em toda a parte.
...
Não me atrevo a acreditar que isso possa acontecer; tal espe­rança por certo me daria algum consolo, mas não quero alimentá-la, pois só à minha dor me devo entregar.

Porém, quando meu irmão me permitiu que te escrevesse, confesso que surpreendi em mim um alvoroço de alegria, que suspendeu por momentos o desespero em que vivo.
...
Suplico-te que me digas porque tei­maste em me desvairar assim, sabendo, como sabias, que acabavas por me abandonar?
...
Por­que te empenhaste tanto em me desgraçar?
Porque não me deixaste em sossego no meu convento?
Em que é que te ofendi?

Mas perdoa-me; não te culpo de nada.
Não me encontro em estado de pensar em vingança, e acuso somente o rigor do meu destino.

Ao separar-nos, julgo que nos fez o mais temí­vel dos males, embora não possa afastar o meu coração do teu; o amor, bem mais forte, uniu-nos para toda a vida.
E tu, se tens algum interesse por mim, escreve-me amiúde.
Bem mereço o cuidado de me falares do teu coração e da tua vida; e sobretudo vem ver-me.

Adeus.
Não posso separar-me deste papel que irá ter às tuas mãos.
Quem me dera a mesma sorte!

Ai, que loucura a minha!
Sei bem que isso não é possível!
Adeus; não posso mais.
Adeus. Ama-me sempre, e faz-me sofrer mais ainda.

CARTAS PORTUGUESAS
( carta atribuída a Soror Mariana Alcoforado – Tradução de Eugénio de Andrade)
.

31 outubro 2017

0058 - VELOCIDADE TERMINAL NÃO FATAL





Quanto maior for a queda, maiores são as hipóteses de sobrevivência do gato. 

...
A melhor altura para um gato cair de um prédio e poder sobreviver, será sempre acima do sétimo andar.
Isto claro; desde que na queda tenha oxigénio suficiente.
...
À semelhança de muitos animais pequenos, os gatos têm uma velocidade terminal não fatal que varia entre:
100Km/h e 60Km/h.
...
Quando abrandam, os gatos conseguem orientar-se, esticar-se e cair finalmente em pára-quedas, como se fossem esquilos.
...
A velocidade terminal é o ponto no qual o peso de um corpo se equilibra com a resistência do ar e pára de acelerar.
...
Nos humanos é de quase 195 km/h.
...
Sobre os gatos há inúmeros registos de quedas de trinta ou mais andares sem consequências nefastas.
Um estudo da Associação Veterinária Americana concluiu que as lesões aumentavam proporcionalmente ao número de andares em queda.
...
Acima dos sete andares, o número de lesões por gato diminuía nitidamente..

0057 - LIÇÃO DE VIDA






A águia é a ave com maior longevidade.

Algumas chegam a viver cerca de 70 anos, mas para chegar a essa idade, a águia aos quarenta tem de tomar uma decisão difícil.


Por esta idade, e ela já tem as suas unhas compridas e flexíveis e não consegue agarrar as suas presas.

Já o seu bico alongado e pontiagudo curva-se, em direcção ao seu peito, as suas asas ficam envelhecidos e pesadas devido à espessura das suas penas.

Voar torna-se então uma tarefa muito difícil.

Assim:

Só lhe resta duas alternativas: morrer ou enfrentar o doloroso processo de renovação que dura em média 150 dias.

A águia sabe escolher e assim voa para o alto de uma montanha e recolhe-se num ninho.

Aí a águia bate com o seu bico na pedra até conseguir que ele caia.

Depois, espera que nasça um novo, com o qual irá de seguida arrancar as unhas.

Já com as suas unhas novas a águia arranca então as suas velhas penas.

Passaram então cinco dolorosos meses de espera mas a águia está de novo pronta para sair e viver uma outra vida.

Já agora:

Sabe como uma cria de águia aprende a voar?

Eu explico.

A águia faz o seu ninho bem no alto de um pico rochoso.

Abaixo, somente o abismo e em volta, apenas o ar para sustentar as asas das crias.

A águia-mãe empurra as crias para a beira do ninho.

Nesse momento e por certo o coração da águia-mãe acelera, com as emoções conflituantes, já que ao mesmo tempo que as empurra sente a resistência delas para não caírem no abismo.

Para as crias, a emoção de voar começa com o medo de cair, isso faz parte da natureza e da espécie.

Apesar da dor, a águia sabe que aquele é o momento.

A sua missão deve pois completar-se.

Assim:

A águia enche-se de coragem. Ela sabe bem que enquanto as crias não descobrirem as suas asas, não entenderão o propósito da sua vida.

E é assim que a águia-mãe dá o empurrão final ou seja o maior presente que poderia oferecer a seus filhos.

Empurrando uma a uma, ela precipita-as no abismo.

E elas voam ! livres após descobrirem as suas asas.

...
Foto de: Rui Melo

28 outubro 2017

0056 - A DONZELA E O CAVALEIRO





Considera-se esquecido por não ser logo atendido?
Mas que amor tão sofrido meu querido Sasi, 
se por uns dias de espera, julgar que de si me esqueci... 

Como poderá donzela, assim tão bem cortejada, esquecer cavalheiro com tão bom uso de palavra...  

Pelo menos no texto que escrevestes...  

Noutros usus não vos julgarei...
Pois prova, não quero que me deis. 

Pudera eu começar a arfar e não vos queria imitar...  

Por isso, isento-vos que me proveis, nos dois sentidos que à palavra deis...

IN. Mari






Sendo um homem de grande entrega, sou também pessoa de grande exigência. 
Daí, a minha impaciência.

Pelo silêncio que me fez sofrido e me deixou a pensar que por si estava esquecido.


Mas agora que um estafado cavaleiro, me trouxe notícias suas… pergunto-me?


Mas quem será na verdade tão bela e prendada donzela, que não pararei de cortejar, na esperança de a ela me entregar e no desejo sublime de muito a amar. 


Dizeis vós, bela donzela…
- Noutros usus não vos julgarei e prova não quero que me deis…
Como lamento essa afirmação.
Que até me causa… transtorno e aflição. 

Tal é o desejo e a paixão, de poder juntar ao seu… 
O meu coração.

Quem és? Como serás?
Onde do mau tempo hoje tu te abrigarás.
Em qual castelo do meu reino tu te encontrarás.

Dizeis vós, bela donzela…
- isento-vos que me proveis, nos dois sentidos que à palavra deis.


No meu trono por muitas lutas conquistado sinto-me perplexo e fascinado com tão bela descrição.


Agora inflamado pelo desejo de lhe dar um só beijo.


No meu cavalo montarei,
Todo o meu reino, eu percorrerei e, em todos os seus castelos a bem ou a mal eu entrarei.
Pois…
Para chegar a si, minha bela donzela.
Lutarei contra homens e reis.
Quebrarei todas as regras.
Rasgarei todas as leis.

E quando a encontrar, resta-me a seus pés ajoelhar e, por si minha Rainha me fazer coroar.




S@SI



26 outubro 2017

O MURO




...
Agora…
Que sou um homem maduro, 
construí à minha volta um muro.
Um muro 
que nunca salto,
 e que me protege, 
de qualquer sobressalto.

@


HOMEM DE VIDA CHEIA




...
Sou um homem 
que tem uma vida cheia de boas recordações.
Sou um homem
 que viveu… doces namoros e tórridas paixões

@

HUMILDADE




...
Humildade para mim… 
Não é… 
Dizer “sim” a tudo e a todos.
Não é… 
Acocorar mentalmente… Á vontade dos outros.



PREFIRO




...
Não me desgasto em atitudes desagradáveis.
Prefiro antes alimentar o meu cérebro… 
com pensamentos úteis e saudáveis

@

A VIDA




...
A vida nunca será feita só de alegrias
E pelo meio abundam as fantasias
Por vezes fica difícil percorrer o caminho
Não importa se acompanhado ou sozinho.

Ana Cunha


SOU O QUE SOU




...
Sou o que sou. 
Sou um homem que sempre me dou.
Mas que nunca se escravizou 
às opiniões de leviandade 
ou ignorância de outros.

@



0055 - HOJE! AMANHÃ E ATÉ MORRER






Se no horizonte a vi em cada onda que na areia da praia os meus pés vinha molhar…
Eu a senti.
No horizonte, vejo mais do que o sol a deitar-se nos braços do mar.
No horizonte, eu sempre vejo o seu sorrido a me encantar.
Naquele dia o Sol como sempre nos braços do mar se deitou e só ela banhada pela luz da lua ali ficou.
Foi então que o desejo me pegou, e esquecendo todos os perigos daquele mar imenso a ele me lancei e nas suas inquietas ondas, nadei.
Nadei, até a alcançar, até a poder abraçar, até aqueles lábios poder docemente beijar.
De repente...
O frio da noite nos tomou e logo um no outro nos entrelaçamos.
E assim, ali ficamos, quentes e banhados pelo luar, até um novo dia chegar.
Este foi o sonho que a sua singular beleza na praia de sempre e num fim de tarde em mim despertou.
Espero não te ter incomodado.
Espero que tenha sido do seu agrado tudo o que para ti, aqui escrevi.
A tua beleza feminina gosto de enaltecer, e sempre o vou fazer…  
Hoje amanha e até morrer.


s@si

0054 - PRIMEIRA VEZ





Não foi numa cama qualquer, que eu… te fiz Mulher.
No teu rosto, naquele dia, estava estampada uma grande palidez.
Talvez fruto de um qualquer medo ou timidez.
Eu! Sabia que o início da tua sexualidade seria um momento muito importante e marcante na tua vida futura e presente.
Por isso, toda a tua sedução foi premeditadamente, calma, doce e envolvente.
Tínhamos vivido já um longo período de afectos, durante o qual eu, tudo fiz para que entre nós despertasse o desejo e a emoção.
Depois, quando achei que estavas já madura par o fazer, comecei então… a te envolver e, a falar de coisas que só a dois… podíamos fazer.
Falei-te de fantasias sem dor, falei-te de histórias de amor.
Falei-te de muita paixão, falei-te do sexo e da tua invasão.
Falei” Falei! Falei, mas nunca te pressionei sempre que me dizias “ainda não”.
A decisão de fazermos pela primeira vez amor, era sempre por mim muito desejada, mas sempre soube ser paciente e perceber a tua indecisão.
Claro que sempre te cercava de factores externos que de certa forma te influenciavam e, induziam para essa experiência.
Quando juntos…
A queimar estava sempre um pau de doce incenso.
A música sempre baixa e sempre romântica ciava um ambiente intenso.
A cama sempre preparada, sempre com pétalas de rosas sobe ela espalhadas mantinha-se convidativa e perfumada.
A luz indirecta tornava o ambiente acolhedor, e mostrava-me de uma forma diferente o teu corpo tão sedutor.
Um corpo que eu ali despia com o meu olhar.
Um corpo de curvas e formas desconhecidas e que eu tanto desejava entre os meus braços ter e desnudado ver.
Não! Não foi de uma forma qualquer, que eu te fiz… Mulher.
Vivemos antes disso, conversas entusiasmantes, risos contagiantes e juntamos a isso muita cumplicidade muita sensualidade
E se umas vezes eu… o teu rosto acariciava…
Outras…
Simplesmente, o teu longo cabelo preto dos teus olhos afastava.
Hoje!
Não sei o tempo que demorou a tua sedução.
Já não lembro sequer, do dia exacto em que por teres relaxado consegui finalmente a tua rendição.
Mas ali naquele dia, no meu apartamento organizado, limpo, acolhedor e previamente preparado eu te abracei e te assustei quando sobre ti avancei dizendo….Deixas-me louco.
Depois, sobre ti me debrucei…
E a tua linda e entreaberta boca… beijei, beijei, beijei.
Ao ouvido palavras doces te murmurei, palavras que te aturdiam e confundiam.
Brinquei com os teus lóbulos, lambi o teu pescoço enquanto desapertava o teu vestido e te deixava em completo alvoroço.
Estava surpreendido com a beleza do teu corpo, com o desenho perfeito de todas essas linhas e curvas.
E disse-te.
Vestida sempre foste o meu querer.
Mas agora, que te vejo nua… És linda de morrer.
Ambos estávamos nus.
Os nossos corpos se enlaçaram como eu gosto, de uma forma lenta, doce e quente. 
Eu estava absolutamente entregue, acariciava o teu peito mordia suavemente os teu mamilos já erectos. 
Já tu! 
De prazer estremeceste e por um instante de tudo te esqueceste.
.
s@si


0053 - TUDO TEM O SEU PREÇO






Tudo tem o seu valor, e tudo deve ser pago segundo o seu valor.

E para mim o preço de te conhecer foi alto.

Tu deste-me muitas coisas boas, coisas de uma qualidade superior.

Foste sempre uma presença sensual, que me inspirava ternura e carinho, que sempre idolatrei e respeitei.

Agora sinto-me desnorteado, muito cansado, desiludido, e o teu discurso escrito Incoerente e com uma tremenda falta de lógica, aumentou o meu desnorteamento.

Agora que tenho diante dos olhos o resultado da tua educação, digo-te sem rodeios, que já não tenho vontade de continuar.

Sinto-me horrorizado por sentir que ainda não foste capaz de veres o teu erro.

Observando-te á distância, sentado na minha cadeira de baloiço tenho imaginar esse momento em que te abandonaste a uma acção que sabias ser repreensível e condenável.

Assim, parece-me justa a minha frase sobre a vontade de não continuar.

Mas o meu corpo continua a viver por sua própria conta, indiferente ao meu pensamento e á minha vontade.

O teu peito, as tuas pernas e as tuas ancas, que agradam certamente a todos os homens que te admiram, continuam sendo um desejo vivo para mim… e a minha natureza continua a desejar o teu corpo e também o teu amor, mesmo sem que eu o queira, mesmo que a ti eu não me queira mais entregar.

Em resumo:

É preciso sujeitarmo-nos a viver e não pensar mais nisso.

Tenho fome!

E sinto a cabeça oca, e de tudo o que entre nós se passou ficou-me apenas o cheiro doce do amor entre os dedos e o traço seco e salgado das lágrimas no rosto.

Tenho fome!

Deixei por isso as sombras que o candeeiro projectava nas paredes nuas do meu escritório e preparei-me para comer uma sopa de legumes.

Acabei lentamente de comer, bocejei, abri os braços e espreguicei-me e de repente senti-me bem.

Retirei-me para o meu quarto, fechei os olhos e dormi.

Na manhã seguinte o dia estava como todos neste inverno, cinzento e frio, e eu não me lembro de ter sonhado contigo.

s@si


19 setembro 2017

0052 - DIÁLOGOS ENTRE (A) E (M)




  • ÀS VEZES EU TREMO NA ESCURIDÃO
Todos a temos por companhia.
Devemos por isso quando ela nos assusta e causa medo tentar evitar ou conviver com os fantasmas que ela nos traz.
Lembre-se que pior que tremer na escuridão é sentirmo-nos sozinho mesmo estando entre uma multidão. 
É permanecer no meio de conhecidos ou amigos como um estranho a que não prestam atenção.

... / ...

  • COMO POSSO CONTINUAR QUANDO TODO O SAL É TIRADO DE MIM
Pode e deve continuar o seu caminho como o fez até aqui, evitando as pedras, tendo cuidado com as derrocadas para que não soterrem em amargura e dor.
De si… Nada pode ser retirado ou diminuído.
Veja que o próprio tempo que a todos desgasta e retira muita da graça da juventude em si não produziu até hoje qualquer detioração.
Pelo contrário acrescentou-lhe ainda mais beleza e sedução.
Você sempre terá Sal e pimenta.
Sal e pimenta que deixará a boca de qualquer homem seca e sedenta.




... / ...


  • ESTOU DESPROTEGIDA E SANGRANDO
Sangrando! Acredito que sim. 
Pois quando se procura incessantemente algo que por vezes até não se sabe bem definir o que é isso desgasta, enfraquece-nos, abre em nós feridas que mais tarde ou mais cedo sangram.
Tem que deixar entrar em sua vida um homem normal, terreno com todas as suas virtudes e defeitos.
Ver até onde pode ir, o que tem na verdade para lhe oferecer.
Se é ou não capaz de a agitar, de a fazer rir e corar, de a fazer tremer e o desejar.




... / ...


  • EXISTE ALGUÉM PARA CUIDAR DE MIM?
Eu sou a prova viva que existe sim.
Mas muitas mais provas já lhe devem ter sido dadas.
Provas que talvez tenham sido por si ignoradas.
É visível que você… é uma mulher forte. 
Culta, bem formada e por isso inteligente.
Inquieta-me apenas o facto de reunidas todas as condições para ser verdadeiramente amada, venerada e idolatrada não consiga viver o que tanto deseja. Ou seja…
Momento de uma repartida entrega e de muita paixão.
Amar uma mulher com o seu porte e a sua beleza não será tarefa fácil.
Acredito que qualquer homem que se aproxime de si tenha de imediato como tarefa primeira despi-la com os olhos.
Vê-la por dentro da linda roupagem que sempre veste e que tanto brilho empresta ao seu exuberante corpo de mulher.
Como muitos deles eu mesmo já fiz por diversas vezes esse exercício.
Sim… 
Já tentei vê-la numa cama de lençóis macios deitada, perfumada e maravilhosamente desnudada.
Mas foram infrutíferas essas minhas tentativas, já que, se umas vezes me aparecia apenas uma cama vazia, noutras… apenas um corpo sem rosto e disforme deitado nela surgia.
Esse, é um poder que poucas mulheres têm.
Quase todas os homens desnudam, e muitas vezes de uma forma quase real.

... / ...

  • COMO POSSO ESQUECER AQUELES LINDOS SONHOS QUE COMPARTILHAMOS QUE ESTÃO PERDIDOS E NÃO PODEM SER ENCONTRADOS
Temo que se reveja nesta frase do vídeo.
Que a mesma a tenha levado para um tempo distante vivido de forma apaixonada e por isso inquietante.
Sim… 
Acredito piamente que toda essa tristeza interior venha desse inesquecível e acabado amor que em si está ainda muito presente.
Essa nostalgia, esse estado permanente de recolhimento faz-me crer que sim.
Ora se assim for terei então de ser cauteloso, cuidadoso com as palavras que lhe dedico.
Um coração ainda dolorido e amarrado com tão fortes amarras a um amor em tempos vivido tem de ser abordado e tocado com extremo cuidado.
Dizem que tenho uma escrita envolvente, capaz de conduzir rapidamente a desejos descontrolados por isso consigo terei de me rodear de mais cuidados.
Não quero condicioná-la, não quero deixá-la mulher descontrolada.
Não quero que se torne dependente crónica, das minhas palavras ousadas.
Podia efectivamente desenhar palavras mais directas e por isso mais envolventes mas aumentaria com isso o seu desassossego.
Quero ser antes de tudo harmonia e lavar á sua vida uma maior alegria e paz interior.
Claro que sempre lhe falarei das duas vertentes que tanto valoriza. Paixão e amor.
Sempre a enaltecerei pela mulher que me parece ser.
Sempre a elevarei a um patamar superior.
Mas para meu desespero sempre a verei também como um ser belo e divino impossível de ter.
Voltando á frase do vídeo, não pode, não deve sequer tentar esquecer esses sonhos e momentos perdidos agora no tempo mas sempre vivos em muitas noites no seu pensamento.
Recorde-os com saudade.
Tire deles bom efeito.
Viva em plena felicidade por os ter experimentado e vivido.
São seus, só seus. E isso, ninguém, nem ele agora a seus olhos o mais cruel e desumano dos homens lhe pode tirar.




... / ...


A vida sempre se renova. 
E um novo amor surgirá seja em hora tardia de uma qualquer madrugada 
seja mesmo numa tarde de verão muito ensolarada


... / ...

  • COMO POSSO CONTINUAR? COMO POSSO CONTINUAR?
Claro que pode prosseguir o seu caminho. Como o fez até aqui. 
Desejando e sonhando.
Diria que terá apenas de deixar lá no cantinho do seu coração pequenino esses momentos vividos fruto de um amor que não tem retorno ou meios de ser reactivado.
Diria que não poderá a continuar a deixar que a recordação deles seja motivo comparativo entre o amor passado e o amor presente. Nada se repete. E depois…
O bom amante é sempre aquele que ama uma mulher de uma forma como ela nunca foi amada e isso torna-se inesquecível mas nunca impeditivo de viver uma outra paixão.
Dê pois, uma nova oportunidade ao amor e ao coração. 
Deixe que se aproximem.
Que pelo menos mostrem ao que vêm.
Talvez alguém a toque de forma profunda, a excite ao ponto de se sentir pronta e com desejo de ser amada.
Talvez se iluda, se apaixone e viaje perdida no tempo e no espaço fruto de intensos orgasmos entre milhões de estrelas existentes numa imensa galáxia.
Talvez se decepcione.
Talvez até… 
Não se sinta mulher realizada. Mas aí terá sempre a última palavra.
Isso é continuar, continuar sem medos, sem frustrações vivendo novas fantasias e novas emoções. 
Por isso doce não deixe de o fazer. 
Escolhendo a pessoa certa mas não exigindo dela aquele elevado grau ou estatuto que parece ser padrão em si. 


... / ...

  • TENTO ESCONDER-ME ENTRE A MULTIDÃO. TEM ALGUÉM AÍ PARA CONFORTAR-ME?
Claro que sim. Eu! E muitos ouras pessoas que lhe querem bem.
Mas eu! Não a quero de todo confortar.
Quero apenas dotá-la das ferramentas que a farão vencer traumas passados, amores ainda recordados, incertezas ambulantes e principalmente desconfianças angustiantes.
Baixe pois um pouco o seu padrão o seu nível de exigência.
Torne-se mais terrena.
Experimente em determinadas alturas uma maior simplicidade.
Diminua o seu mau feitio para um nível aceitável.
Ajuste-se um pouco a quem deixar entrar na sua vida e na sua intimidade.
E viva. 
Viva com paixão a sua sexualidade.

... / ...


Disse atrás que me consideram homem de escrita inquietante e envolvente, perigosamente envolvente. 
Por isso, termino pois temo que a possa estar a envolver numa teia que consigo não poderei tecer.
.........................
 amigodoporto



18 setembro 2017

0051 - O MENINO QUE FUI E O HOMEM QUE HOJE SOU



O MENINO QUE FUI...



O HOMEM QUE SOU




Hoje!

Nesta idade madura, não vivo mais de ilusão.

Não busco mais o prazer físico ou apenas e só a excitação.

Busco momentos.

Feitos de carinho e emoção.

Busco,

Os afectos.

Os abraços.

O toque sensível dos corpos desnudos e ainda frios.

O amoroso envolvimento de dois seres diferentes mas abençoados e verdadeiramente um pelo outro apaixonados.

Busco,

O inebriante prazer, de sermos seres doces e amáveis entre os quais, as carícias são indispensáveis e os carinhos inevitáveis.

Hoje nesta idade…

Eu!

Gosto é mesmo de navegar, navegar, em completa serenidade…

Como se ambos quisemos pelo amor ganhar a imortalidade.

Hoje!

Mais perto do dia em que irei morrer…

Sou incapaz de amar a correr.


S@SI






Esta foi...
A mulher que me fez nascer e me ajudou a crescer.

   


 
   






Esta foi a primeira mulher, que me pegou no colo com muito cuidado e calor.
Esta foi a primeira mulher, que me beijou com muito carinho e amor.
Obrigado Tios Queridos
Pelo amor, sempre demonstrado. 
Pelo carinho, nunca recusado.










Na minha vida...
Comecei muito cedo a ter insónias e medo.
Sim...
Tive medos e pesadelos durante a minha longa vida.
Mas sempre os venci com uma força destemida.
Agora... Para passar o tempo...
Desenho palavras e satisfaço o meu pensamento. 


s@si