25 junho 2017

0039 - MAIS NÃO DEMORES






Era tarde, estava um frio de rachar.
Mas em nós, havia um grande desejo de amar.
Sem hesitar.
Ali mesmo… Eu te beijei e com aquele ardente beijo logo o teu desejo, aflorei.
Depois!…
Na tua pele aveludada e macia.
Navegaram os meus lábios, de um jeito suave e lento.
Eles…
Te cobriam com um carinho que todo o teu desejo saciava.
Eles eram… A comida que te alimentava.
Já eu.
Quando nos meus dedos, sentia a tua pele aveludada e macia me enchia de prazer, ao mesmo tempo que a minha alma flutuava, inundada em grande alegria.
Estavas majestosa quando nos teus olhos de gata vi aquela luz.
Depois!
Me perdi no teu corpo de mulher e no imenso gozo que ele em mim produz.
Mas ali… naquele momento alucinado para além da luz do teu olhar, eu vi também, uma mulher com corpo arrebatado pelo louco desejo de ser possuído e penetrado.
Por isso…
Te lancei um desafio! Dizendo-te baixinho…
Encosta a tua boca de hálito fresco ao meu ouvido.
Faz-me ouvir o teu sentido gemido e me faz um só pedido?

- Mais não demores, disseste-me tu…

E foi assim…

Que eu dominado por um intenso calor, me deliciei no teu sabor, enquanto te inundava de carinho e amor.

s@si

23 maio 2017

0038 - NÃO MINHA QUERIDA





Não… 
Minha querida.
Não aceito a tua partida. 

E acredita que quanto mais o tempo avança 
mais eu tenho na lembrança... 
A tua cara tão querida.

Não…
Não aceito a tua partida. 
E acredita, que sem teu amor, é enorme a minha dor. 

Agora que já desabafei. 
Agora que mais uma vez te disse... que sempre te amei...

Te digo, que constantemente, eu sinto o louco desejo de te beijar... ardentemente. 


s@si


18 maio 2017

0037 - QUANDO JUNTOS





Quando juntos...
Eu amo o toque dos teus dedos leves e macios,
que percorrendo o meu corpo, me levam a fortes emoções e a agradáveis arrepios.

Quando juntos...
Eu amo, o toque dos teus dedos quando me percorrem o corpo com obstinação, 
e me levam a gozar até quase a exaustão.

Quando juntos...
Nós sempre perdemos a noção e a razão.

Quando juntos…
A nossa mútua entrega é sempre vivida em grande paixão,
e cada nosso momento é sempre um fantástico e completo ritual de emoção.

Quando juntos...
Eu, do teu corpo de enlouquecer, 
faço o meu berço, e nele me embalo… até transbordar de prazer.

Quando juntos…
Elevamos os nossos sentidos.
E
Ouvimos o eco dos nossos loucos gemidos.



s@si.

14 maio 2017

0036 - EU SEMPRE FUI O TEU GATO





Estávamos no início de 1967, ano em que pela primeira vez eu te encontrei.

Tinhas então dezassete – lembras-te!

Eras uma rapariguinha divina na tua beleza.

Teu rosto era de um oval perfeito, e nele repousavam dois grandes, olhos verdes e meigos.

Tua bela boca de lábios vermelhos e finos quando ria mostrava uma dentadura perfeita, muito regular e de extraordinária brancura.

E eu sempre te dizia que eras linda e que para mim tu te parecias com uma santa.

Se o teu rosto era belo o teu corpo era encantador.

Nessa altura pouco contava a beleza do corpo já que ao contrário de hoje ele permanecia quase sempre encoberto mas mesmo assim eu sempre vi nele um enorme fascínio.
As tuas pernas eram direitas e fortes, as tuas ancas suavemente arredondadas e as costas estreitas na cintura.

O teu ventre ligeiramente proeminente e arredondado era para mim mais um dos teus grandes encantos.

Já o teu seio era pequeno, mas firme e alto, e sempre se mantinha numa posição perfeita sem precisar de qualquer artifício.

Vestida, tu davas a impressão de seres uma rapariguinha vulgar mas desnudada parecias-me uma bela estátua.

Falo dessa tua beleza… entusiasmadissimo e sem qualquer malícia.

• É verdade que foi em 1967 que eu sem querer te encontrei,

• É verdade que foi também em 1967 que querendo por ti …… me apaixonei.

Sempre me senti embriagado por toda a tua beleza feminina e sempre por ti eu estive apaixonado, mas era tão grande o meu medo de te perder que por vezes o meu amor não ultrapassava os limites do meu egoísmo.

• Que fazer! Se eu era mesmo assim…
• Te queria toda…toda só para mim.

Lembro-me muito bem daqueles dias.
Dias calmos depois de muitos outros chuvosos e frios.
Dias em que o ar era doce mas ainda dorido dos rigores do Inverno.

Em todos eles...
Sempre que estava contigo, sentia-me feliz, e depois de te deixar… gostava de caminhar em passo lento e contemplar a caminho de casa, as coisas mais insignificantes, como:

Aquele gato preto e branco que dormitava e se aquecia nos ainda tímidos raios de sol, e que parecia entender… bem, o meu estado de espírito. 




Aquele ramo de eucalipto caído, cortado pelo vento e que eu sempre para casa levava, fervia e inalava. 




Ou então o musgo que nascera nas paredes das casas e que me parecia tão aveludado como e tua pele e tão esverdeado como os teus olhos.

Já é tarde Meu amor… e depois tu sabes que o meu sono foi sempre semelhante a um apetite que se sacia sem esforços, por isso eu termino este meu pensamento sobre ti…para descansar e dormir.

Saboreia estas palavras que hoje te dedico mesmo não sendo dia dos namorados...

Pois tu para mim és um caso nunca encerrado, 
Um amor a cada dia mais desejado e renovado.

Eu sempre fui o teu gato




S@SI

0035 - A MALÍCIA DOS TEUS OLHOS





Naquele dia frio, o nosso passeio junto ao mar estava a terminar.
Regressávamos agora para o ninho onde sempre findavam os nossos encontros.
Tínhamos chegado finalmente ao quarto, conduzia-te com cuidado como se tu fosses uma frágil boneca, levando-te em braços.
Entrei e logo te atirei delicadamente para cima da cama.
Despiste-te e eu quando te vi nua, não resisti à tentação de te passar gulosamente as mãos sobre as tuas mais poderosas armas de sedução.
Olhei-te nos olhos e vi neles uma enérgica malícia de quem parecia querer abandonar-se a mim completamente.
Num gesto de amor, beijei-te, mordi-te e belisquei-te traiçoeiramente com as minhas mãos nos sítios onde menos esperavas e mais desejavas.
Tu rias-te, defendias-te e parecias completamente feliz.
Já eu!
Ganhei um desejo imenso quando vi nos teus lindos olhos aquele fascinante brilho intenso.

s@si

0034 - MINHA GATA




Olá formosa donzela que esta tarde sobre a minha pequena tela lançastes ousadas e doces provocações.
...
Há! Quem me dera ser gato.
Poder descer do teu telhado miando de um jeito safado e entrar de mansinho nos teus mais profundos domínios colhendo para mim toda a tua doçura e fazendo minguar essa tua apregoada fartura.
...
Interrogo-me agora… se nós que tanto escrevemos por vezes com ardor seríamos também capazes de alinhar os nossos dois sóis entre uns já desalinhados lençóis e viver uma história desenhada à volta de um círculo que se circunda com paixão sensibilidade e precisão até que ele, feito, uma linda flor exposta ao sol primaveril se vá abrindo, abrindo, devagarinho e forçado por todo aquele meu extremoso carinho.
...
Um carinho lento…
Feito em permanente descoberta e aventura, feito também de muita, muita, doçura e que de tanto te melar de toda a retida fartura te iria libertar.
...
Sim...
Tens razão, há dias em que os gatos miam por desassossego.
...
Há dias em que as gatas por medo apenas brindam o seu gato com beijos felinos e assim continuam a esconder o seu grande segredo.
Segredo sobre o qual começa a ser necessário miar.
...
Hoje…
Eu, minha linda gata, miei para ti lá do cimo de um alto telhado.
Já tu, miando baixinho me deixaste atrapalhadinho quando insinuaste que toda tu és doçura e fartura.
...
Te imaginei num prazer farto lutando em meus braços e em puro sobressalto enquanto te banhava com a minha, língua-de-gato.
...
Sabes!
Nunca pensei que a aquela foto te fizesse disparar um tiro rápido e certeiro.
Erotismo puro e envolvente.
...
Acho melhor deixar a minha condição de gato.
Não vá escrever diabruras das quais me possa arrepender.
...
Hoje! Conheci um pouco da outra que há em ti. 
E gostei.
...
Termino de mansinho ilustrando assim... todo o meu carinho

s@si





0033 - SABES BEM






A tua arma não me intimida. 
A tua arma me encanta e fascina. 

E depois... 

Sabes bem que... 
Adoro o teu corpo semidesnudado me esperando e
ntre finos lençóis deitado. 

Sim...
Adoro o teu corpo semidesnudado. 
E apenas por uma ténue luz… iluminado. 

Sim… 
Adoro o teu lindo corpo de mulher 
e sempre me esgoto 
para não lhe dar um prazer qualquer. 

Sim...
Adoro o teu corpo semidesnudado, trémulo e agitado 
Um corpo perdido em anseios e pecaminosos devaneios. 
Um corpo de beleza rara e muito bela 
Um corpo que grita e sempre se agita, entre uma e outra lambidela. 


s@si

07 maio 2017

0032 - DIA DA MÃE






Os historiadores e o dia da Mãe…
Parece ser ponto assente que esse dia terá nascido por uma ideia da senhora Anna Jarvis, que em 1904, quando a sua mãe morreu, chamou a atenção na igreja de Grafton para um dia especialmente dedicado a todas as mães.

Três anos passados, a 10 de Maio de 1907, foi celebrado o primeiro Dia da Mãe, na igreja de Grafton, reunindo praticamente família e amigos.

Nessa ocasião, a senhora Jarvis enviou para a igreja 500 cravos brancos, que deviam ser usados por todos, e que simbolizavam as virtudes da maternidade.

Dizem também que ao longo dos anos terá enviado mais de 10.000 cravos para essa igreja.


Encarnados para as mães ainda vivas





Brancos para as já desaparecidas.





Face à aceitação geral, a senhora Jarvis e os seus apoiantes começaram a escrever a pessoas influentes, como ministros, homens de negócios e políticos com o intuito de estabelecer um Dia da Mãe a nível nacional.

A campanha foi de tal forma bem-sucedida que em 1911 era celebrado em praticamente todos os estados.

Em Portugal, até há alguns anos atrás, o dia da mãe era comemorado a 8 de Dezembro, mas actualmente o Dia da Mãe é no 1º Domingo de Maio, em homenagem a Maria, Mãe de Cristo.

In – Sapo Mulher (Texto adaptado)
.

MÃE

Para todas as mães solteiras, com filhos a seu cargo para criar, que nem tempo, têm para namorar…
Vai todo o meu amor.
.
Para todas as mães que nos dias que correm, se deitam sem trabalho e desesperadas em madrugadas de dor…
Vai todo o meu amor.
.
Para todas as mães que se levantam dia após dia sem esperança, em dias sombrios e sem cor.
Vai todo o meu amor.
.
Para todas as mães que nos seus olhares colocam anjos serenos que aos seus filhos em sofrimento… aliviam a dor.
Vai todo o meu amor.
.
Para todas as mães que ouvem sem aborrecimento e com doçura o choro intenso da sua cria e que fazem, de cada dificuldade… uma renovada esperança.
Vai todo o meu amor.
.
Deixo a todas as mães que por aqui passarem numa homenagem singela esta linda flor.
.
@



Para todos os amigos e amigas que já perderam sua mãe...

Minha mãe, passa o tempo
Mas não passa o sofrimento
Que ficou da tua partida.
Quanto mais o tempo avança
Mais eu tenho na lembrança
Tua imagem tão querida.
.
Sem a tua companhia
Eu jamais tive alegria
Vou sofrendo de saudade.
Se fosse preciso morrer
Somente para te ver
Eu morreria à vontade.
.
Minha mãe, sem teu amor
É enorme a minha dor
É um tormento profundo.
Eu um dia vou abraçar-te
Pois sei que vou encontrar-te
No azul que cobre o mundo.

A Alves

04 maio 2017

0031 - MATAS-ME DE DESEJO





Existem homens que fazem amor, sem delicadeza.
Já eu, minha querida.
Ando cego pelo teu corpo e pela tua grande beleza.
.
Ando Inundado pelo desejo de te beijar, de lentamente te despir.
Ando possuído por uma forte vontade de novamente te possuir.
.
Não imaginas como o desejo da tua carne me queima as ideias
e sem palavras para te dizer, apenas me resta fazer aflorar no teu corpo, todo o corpo, os teus desejos com os meus beijos.
.
Sabes!
Sempre achei a beleza do teu corpo...
Opulenta e tentadora, uma beleza que não se nota quando estás simplesmente vestida, mas que sempre me deslumbra quando te vejo de roupas despida.
.
Naquela noite…Não te podendo ter…
Entrei na banheira pouco a pouco, e pouco a pouco fui mergulhando na água quente e de cor azulada.
Uma vez estendido no fundo:
Pensando em ti… Fechei os olhos e sorri.
De regresso a minha cama esperavam-me os lençóis finos e sedosos que pareciam querer acariciar-me o corpo em teu lugar.
O colchão cedia docemente a cada movimento que o meu corpo fazia sempre que meu cérebro, te imaginava bela e desnudada.
Movimentos, sem nexo mas que acordavam no meu apêndice físico um forte desejo de sexo.
.
Meu amor...
Matas-me de desejo
– Murmurei então baixinho antes de dormir o meu soninho.


s@si

0030 - ENTARDECER





Mais uma vez te abro as janelas da minha vida.
Por elas entra agora mais um entardecer.
Já eu…
Minha querida, continuo louco e ávido por te ver.
Mais uma madrugada no meu existir!
Madrugada chuvosa e de um vento cortante e frio,
Pensando em ti!
Sinto no meu coração um vazio.
Onde estarás?
Que fazes neste momento?
Indaga, inquieto o meu pensamento.
Na verdade não o sei adivinhar apenas sei, que para mim… és uma estrela, um sol, um alvorecer a me esperar.


s@si


0029 - COM PAIXÃO E DELICADEZA





Da classe e do charme que do teu corpo de mulher se liberta, escolho sem dúvida o charme como a principal vertente da linda mulher que apesar de se mostrar doce, mostra também poder ser uma fascinante serpente.
Uma serpente rara que depois de estimulada mexe, mexe e não pára.

Um ser que alternará no amor
entre o saber ser um ser submisso mas também dominador.

Disseram-me os teus olhos que serás também mulher capaz de inverter o jogo da sedução e de num qualquer golpe de mão te tornares a dona, a rainha e a senhora da relação.

Na verdade, quando me imaginei no afago desses braços pensando poder repousar neles de todos os meus cansaços...

logo senti que estavas ousada e determinada a seres muito, muito amada.
Nesse jogo de amor, tu ardentemente me beijavas, lambias, sugavas e mordias.
Tu, sem pudor me causavas sofrimento e dor enquanto me arranhavas e devoravas.
E o macho que eu sou,
depressa entre os teus braços em presa indefesa se transformou.

Dócil e submisso, eu te levei ao paraíso, enquanto tu… gozavas e perdias o juízo.
Que um grande amor te apareça.
Que ele seja capaz de te amar como mereces com paixão e delicadeza.

Que ele, pelos caminhos da felicidade te conduza.
Que ele, em todos os dias te fascine e seduza.
.

s@si

(Caixa Postal)

03 maio 2017

0028 - AQUELE DIA...





Um novo dia nasceu; e eu levantei-me decidido a resolver as coisas pendentes contigo.
Telefonei-te e disse-te:
Precisamos de nos encontrar.
Eu Tenho uma coisa importante para te contar.
Ficou assim marcado o nosso encontro, e eu fiquei parado e ansioso á tua espera.
Não sei quantos malditos cigarros eu fumei enquanto te esperava, mas as folhas de papel branco que tinha na secretária do meu pequeno escritório, estavam já manchadas de cinza que a minha perturbação e a tremura das mãos nelas fizera cair.
A campainha tocou e eu logo corri para te abrir a porta.
Ainda bem que vieste disse-te com a voz estrangulada.
Peguei-te com delicadeza na mão e conduzi-te até ao sofá.
Mal te sentaste logo me ajoelhei diante de ti abraçando-te as pernas e mergulhando a minha cabeça nos teus joelhos, mantendo-me em silêncio e tremendo de desejo.
Percebi a tua intenção de te levantares e disse-te, espera tenho uma coisa importante para te dizer:
Amo-te, Amo-te muito!
Quero que venhas viver para minha casa;
Será a dona da casa, serás a dona do meu coração, serás a minha mulher e eu:
Dar-te-ei amor, carinho e compreensão.
Foi longo e gelado o teu silêncio.
E enquanto ele durou eu vivi momentos angustiantes e de estranha loucura.
Os teus olhos ganharam brilho e de novo me senti fascinado com o teu olhar, senti no meu rosto a ternura dos teus dedos leves que me contornavam a cara, da testa à face, da face á testa, era um gesto de mulher verdadeiramente apaixonada.
A tua exuberante beleza que fazia andar á roda a cabeça de muitos homens era agora minha…só minha.

s@si


0027 - ESTAÇÃO DE S. BENTO





ESTAÇÃO DE S. BENTO


Neste local imponente 
Onde passa tanta gente 
De chegada ou de partida. 
Eu um dia também parti 
Mas nunca mais esqueci 
Tanta dor na despedida. 
Foi na estação de S. Bento 
Que começou o meu sofrimento 
Quando um dia emigrei. 
Foi também nesta estação 
Que alegrei o meu coração 
Quando a casa regressei 
Poema de: A Alves. 
Foto de:.... Rui Melo 




0026 - PRAÇA DA LIBERDADE


.



Faça chuva ou faça vento
Acreditem que é verdade
Preciso para o meu alento
Ir à Praça da Liberdade. 

Não é mania nem tradição
Nem porque alguém mo peça
É apenas uma paixão,
Uma espécie de promessa. 

Ir à Praça da Liberdade
E o cavalo visitar
É uma necessidade
Enquanto por cá andar.

A Alves


D. PEDRO IV
O homem que na história melhor incarnou o inconformismo portuense.
Foi aqui mesmo nesta bonita cidade do Porto que o Imperador do Brasil e as suas tropas liberais, ajudadas pela corajosa população de então, resistiram ao Cerco do Porto e obtiveram uma grande vitória contra as forças absolutistas lideradas por D. Miguel.

Grato por esse apoio das gentes do Porto D Pedro IV logo prometeu doar o seu coração a esta cidade.
E foi assim que:
Depois de morto, o seu corpo seguiu para o Brasil, ficando como prometido o seu coração nesta cidade entregue aos cuidados da Igreja da Lapa, onde se encontra ainda hoje.




.

IGREJA DA LAPA
Ainda como gratidão de todo o apoio recebido nesta guerra civil, D Maria II, filha de D Pedro IV através de um decreto escrito por Almeida Garrett, atribuiu à cidade do Porto o título, único no país, de,

“ANTIGA, MUI NOBRE, SEMPRE LEAL E INVICTA CIDADE DO PORTO”
.
"ANTIGA" mas muito formosa
Heróica e sem rival
Esta cidade gloriosa
Deu nome a Portugal.
.
"NOBRE" e condecorada
Com honrosa distinção
A Ordem de Torre e Espada
À volta do seu brasão.
.
"LEAL" e obediente
Recheada de glória
Sincera e independente
Como reza na história.
.
"INVICTA" por não ser vencida
E em tudo ser a primeira
Será sempre enaltecida
Esta cidade tripeira.
.
A Alves
...

0025 - À MINHA CIDADE





À MINHA CIDADE


Meu Porto, minha cidade
Queria ter a capacidade
De mostrar quanto te quero.
Nada tive para te dar
Mas tenho para te deixar
Versos de amor sincero
.
O livro que escrevi
Fala somente de ti
Do presente e do passado.
Recordo as casas velhinhas
As ruelas estreitinhas
E o Douro teu namorado
.
Os teus lugares fascinantes
Os teus filhos importantes
Eu relembro com vontade.
Teus costumes e tradições
Até antigos pregões
Aqui recordo com saudade.
.
Neste livro que te ofereço
Mostro bem o meu apreço
E o muito que te amei.
Nesta singela homenagem
Deixo-te a minha mensagem
Nos versos que te dediquei
...

Poema de: A Alves.
Foto de:.... Rui Melo



0024 - ANTIGA, MUI NOBRE, SEMPRE LEAL CIDADE DO PORTO

.




ANTIGA, MUI NOBRE, SEMPRE LEAL CIDADE DO PORTO
.


“ANTIGA”
Mas muito formosa
Heróica e sem rival
Esta cidade gloriosa
Deu nome a Portugal
.
“NOBRE”
E condecorada
Com honra e distinção
A Ordem de Torre e Espada
À volta do seu brasão.
.
“LEAL E OBEDIENTE"
Recheada de glória
Sincera e independente
Como reza na história.
.
“INVICTA”
Por não ser vencida
E em tudo ser a primeira
Será sempre enaltecida
Esta cidade tripeira.
....

Poema de: A Alves.
Foto de:.... Rui Melo

0023 - EMBALAGEM DE DAMAS






Era uma tarde de verão igual a todas as outras tardes.
Tinha apenas a particularidade de ser uma tarde de domingo.
Estávamos, num baile de garagem, igual a muitos que nesse tempo se faziam.
Quando cheguei, olhei com cuidado toda a sala, e quando te vi, logo percebi que eras tudo o que eu mais queria.
Mas, uma qualquer timidez masculina me impediu de te ir buscar para dançar.

Assim fui assistindo maravilhado ao rodopiar, elegante do teu lindo e magro corpo que ao som de cada música nos braços de outro percorria toda a sala.

Não tirei mais os meus olhos de ti.
Percebi, que o meu olhar fixo te incomodava, e que se estava a tornar numa brisa quente que te afagava o corpo o espírito e a mente.
De repente a música parou, o rapaz dos discos, liga então o microfone e numa voz rouca e baixa…anuncia!

- A próxima música é para embalagem de damas.

Nesse tempo embalagem de damas significava que os rapazes se sentavam, e eram as raparigas que cruzavam o salão e escolhiam o seu par para a dança.

Meu corpo tremeu, meus olhos se fecharam, percebi que ali naquele momento iria acabar o meu sonho de te ter.

Não queria e não podia, sem sofrer, assistir à sua escolha.

A música começou a tocar – a canção era Mónia, e eu estava parado, de olhos fechados, a um canto do salão.
Segundos depois um leve toque no meu braço fez com que tivesse de abrir os olhos mesmo sabendo, que forçosamente a teria de ver dançando com a sua escolha.

Engano meu.

Tu estavas ali, mesmo á minha frente, convidando-me para essa única dança que sempre acontecia, uma única vez por tarde.
Aquela foi para mim a tarde mais linda de todas as tardes, e tu, sem o saberes, acabaste com aquele gesto por timidamente te tatuares definitivamente na minha vida.

s@si

0022 - ÊXTASE TOTAL






Quero simplesmente,
No teu quente abraço me aconchegar.
Quero simplesmente,
Nos teus lábios me deliciar.
Quero simplesmente,
O teu corpo provar e saborear.
Quero simplesmente,
Sentir o teu clamor. Sentir, o teu pulsar de ardor.
E quando mais nada me detiver, quero fazer-te mulher.
Me entregando sem reserva e sempre com paixão e muito amor.

Sabes que olhando para ti, eu! Perco o juízo.
E porquê?
Porque no teu corpo desumanamente belo eu sempre vejo um paraíso.
Porque a doçura, e o calor desse teu corpo, eu! Em mais nenhum encontrei.
Por isso, por ele me encantei. Sobre ele, muito gozo teu dei, muito já gozei.

Agora…
Sou homem amarrado ao desejo, por um fio.
Sou gato, sem dono, de olhar triste e, por ti… Em pleno cio.

Agora...
Nunca me canso de te amar.
Nunca me canso de esperar, o momento certo para chegarmos juntos ao gozo final, ao ápice extremo de um êxtase total.

s@si


0021 - HOMEM DESLUMBRADO






Olá SASI:

Boa Tarde
Uma vez mais visitei os seus blogues e fiquei encantada, pois os seus blogues são lindíssimos.
Como lhe disse à uns tempos atrás vale mesmo a pena perder um pouco do meu tempo e deliciar-me com o que vejo e leio nos seus blogues.
Já agora aproveito e lhe envio mais um texto para o SASI se assim o entender o publicar no se blogue.
...../.....
Não importa se você está longe,
se não o conheço pessoalmente, 
se nunca ouvi a sua voz, 
se nunca olhei nos seus olhos. 
... 
O que importa realmente é que 
sinto que você está perto… 
que conheço o seu sentimento… 
que ouço a voz do seu coração… 
e que vejo o brilho da sua alma! 
... 
Obrigada pela sua amizade, mesmo 
que virtual, mas com muito carinho. 

Beijinhos
Sua amiga M………….

Recebido por correio electrónico





Está a noite, acabada de chegar.
Eu! Leio este seu poema...sentado e a descansar.
E faço-o com satisfação verdadeira.
E acredite!
Senti-me depois de o ler...
Um homem profundamente deslumbrado...
Um homem profundamente emocionado.

s@si


0020 - MULHER INQUIETANTE




Olá, jovem e inquietante mulher.
Esteja você onde estiver, sempre do seu lindo rosto irradia um arco-íris de luz e cor que me chama de uma forma insensata para o leito onde se faz o amor.
.
Não. Não é um elogio para agradar.
É a verdade dos factos que me compete relatar.
Mentir-lhe, ou propositadamente o ignorar
de nada iria adiantar até porque, o seu vidro espelhado
já disso,
muitas vezes lhe deve ter falado.
.
Há no entanto, nesse rosto calmo uma certa nostalgia, diria até… carência.
Claro que os meus tristes e castanhos olhitos vêm mais.
Muito mais, para além do descrito.
Mas falar disso…
Hoje!
Deixar-me ia aflito.
Beijo.
.
S@SI


0019 - O DIA SEGUINTE




Quando naquela noite a luz branca e crua dos faróis do meu carro iluminou por completo o teu corpo, tive de imediato a sensação de que aquela luz te despia por completo e te pregava nua na parede, sobre um cartaz que perpetuava o teu fascínio e a tua exuberante beleza.

A noite na cidade estava fantasticamente linda, e quase que por magia o meu carro tinha-se abeirado do passeio e seguia-te passo a passo.

Vi que olhavas de quando em quando disfarçadamente para o automóvel que continuava a seguir-te devagarinho, e resolvi então parar.
Deitei de fora a cabeça e numa voz que pretendi doce, disse-te:
Boa Noite!
Boa noite ­– respondes-te tu.

Animado pela tua resposta perguntei-te, onde vais assim tão só?
Posso acompanhar-te?
Depende…
Percebi que não seria elegante convidar-te para entrar.
Estacionei o carro e ficamos ali a falar um pedaço, depois fomos caminhando sempre um ao lado do outro…

Ao contrário de hoje a cidade à noite fervilhava de casais passeando, olhando as montras das lojas sempre bem iluminadas, e cuja iluminação branca misturada com a amarelada da iluminação pública faziam de cada rua um cenário sem sombras, arrumado, limpo e encantador.

Era… curto o teu trajecto nessa noite e depressa chegamos ao teu destino.

Antes de te deixar…
Questionei-te sobre mim, e pude perceber que tu começavas a simpatizar fortemente comigo, e que te sentias ao mesmo tempo… curiosa e atraída por mim.

Já eu comecei logo a consubstanciar em ti todas as coisas que desejava e amava e de que até então estivera privado.

Marcamos para a mesma hora do dia seguinte, e toda essa noite foi passada em angústia total, pois não tinha a certeza de no dia seguinte te encontrar.

O DIA SEGUINTE
Valeu a pena a espera, pois na hora marcada, ali estavas tu mais linda do que no dia anterior.
Abri a porta do carro, tu entras-te, e de imediato pus o carro em movimento.

Durante todo o trajecto não paramos de falar e rir animadamente; e lembro-me ainda hoje … das emoções sentidas, sempre que a minha mão tocava o teu corpo a cada mudança de caixa, que o vagaroso movimento do carro, a todo o momento exigia.

Quando naquele nosso segundo encontro, me… confidencias-te que estavas feliz, por ter conhecido um homem como eu…
Um homem de voz rouca, doce e meiga…
Um homem de gestos gentis e calmos…
Um homem de atitudes e maneiras que suscitam na alma sentimentos de atracção profunda…
Eu…
Parei o carro, olhei-tedemoradamente nos olhos… e de imediato te disse:
Também eu estou feliz! Por ter conhecido, pois desde que a luz dos faróis do meu carro, te iluminou por completo o rosto e o teu corpo, eu senti que a tua presença tinha incendiado em mim um violento desejo físico; que me deixava ansioso por poder ser acariciado pelas tuas mãos, beijado pela tua boca e de sentir o aroma da essência do teu amor.

Recomeçamos a nossa viagem, mas na primeira curva apertada da estrada, tu perdes-te o equilíbrio e deixaste cair a cabeça nos meus joelhos…eu estremeci mas não disse uma só palavra.

Deixei o carro correr velozmente até encontrar um porto seguro onde o parar.

Então…
Olhando-te demoradamente passei as minhas mãos pelo teu lindo rosto numa carícia lenta, ardente, afectuosa e espontânea, enquanto que os meus lábios soltavam palavras amáveis e envolventes para ti.

Percebi então, que tu…estavas de cabeça perdida, que os teus olhos e a tua linda boca entreaberta pediam a mais doce das carícias.
Mas apesar de ela me ter sido pedida tão humildemente, eu não te concedi ali a carícia desejada.
Pus de novo o carro em movimento… e vi que em todo o trajecto de volta te mantiveste calada e aborrecida.

Já à porta de tua casa… perguntei!
Estás aborrecida, respondes-te que não….
Que apenas estavas demasiadamente incomodada.
Vi então os teus olhos se encherem de lágrimas, e no fundo deles um desespero enorme, as mulheres nunca gostam que os homens as recusem, mas tu ali naquele instante estavas enganada.

Eu de facto desejava-te, desejava-te muito.


s@si



02 maio 2017

0018 - NO DIA EM QUE VOCÊ VOLTAR






SASI

Que teus passos te levem ao belo... 
Que as pedras não sejam empecilhos...
Que a chuva e o vento, sejam frescos por onde passares...

Recebido por email





Passos firmes e seguros, sempre procuro dar neste estreito e curto caminho da vida.

Caminho, que não pretendo me leve ao belo, mas sim ao solidário, ao romântico e ao amor.

As pedras estão e estarão sempre no nosso caminho, devemos saber contorná-las e não agredir, não magoar para que elas nunca nos sejam arremessadas.

Já a chuva dá-me por vezes a ilusória sensação de estar Divinamente limpando os meus pecados terrenos.

Já nas asas do vento costumo sempre derramar o meu mau pensamento, pois sei que ele o levará para longe…muito longe de mim.

São muito doces estas palavras que hoje me dedica.

Palavras!

Que me levam de imediato a questionar como na verdade será você.

Mulher…parece que sim.

Mas não lhe conhecendo os seus traços exteriores, como posso então defini-la?

Apenas e só posso afirmar que me parece de facto um ser equilibrado, que se resguarda e protege.
Um ser… doce, romântico, solidário, companheiro. e talvez com uma estranha necessidade de afecto…

Não. Decididamente…
As madrugadas nunca me assustaram, tão pouco me atormentaram.

Sou um homem com grande fome de sono, e agora;
Durmo sempre assim…
Com você perto de mim.

As falsas amizades sempre me preocuparam sim.
A tal ponto que se voltasse a ser menino… procuraria entender melhor o destino, para assim modificar o meu pensamento e saber evitar os amigos despidos de sentimento.

Termino lhe agradecendo.
Agora guardo o melhor de mim...para lhe dar, quando, você outro dia voltar.


S@SI

 (Diálogos)



0017 - SAUDADE QUE MATA




O tempo! 
Vai passando, passando.
Mas a saudade de ti...
Essa! 
Vai ficando e matando.

Por isso! Corro… Corro para os meus fantasmas de amor ir de mim afastando


s@si

0016 - ACREDITA





ACREDITA! 
Não existe para nós outra saída.
Tu e eu, somos já… 
Uma só vida.
Para quê então partir! 
Ou de mim fugir!
Se eu sempre te alcançarei com todo o meu poder.
Diz-me! Meu amor!
Diz-me que sou eu e não outro, todo o teu querer. 
Sabes bem que juntos a nossa vida será diferente, pois juntos...
não viveremos mais… com o amor ausente.
Eu, 
Não quero mais viver esta incerteza.
Eu,
Quero-te, de novo na minha cama e também na minha mesa.


s@si

01 maio 2017

0015 - TALVEZ SIM. TALVEZ NÃO.






Por te ter visto à janela não resisti e dei uma espreitadela.
E acredita que adorei,
a minha primeira visitinha á tua virtual casinha.

Senti-me docemente envolvido quando pela primeira vez te visitei…
E acredita!
Que logo por uma sensação estranha eu passei…

Estava preso a todo aquele charme a todo aquele ambiente …
E depressa percebi que também eras uma mulher por amor carente.

Quis saber então mais sobre ti… descobrir-te por dento…
Saber como era o teu feitio e o teu predominante sentimento.

Disseste-me então!
Seres uma mulher meiga, doce, carinhosa e solidária…
Descrição que em nada combina com a tua imagem sempre ousada e incendiária.

Percebi então que eras uma mulher de grande simplicidade e de alguma timidez.
Mulher que vive rodeada entre altos e quase intransponíveis muros, que julga serem de grande robustez.

Mulher de muitas armaduras defensivas… motivadas por antigo ou recente tormento…
E que ainda te causa no presente… mágoa e sofrimento.

Entender-te e interpretar os teus sinais…não foi para mim difícil, afinal estava tudo lá

Em cada imagem, em cada texto, sempre uma mensagem, um mistério, uma envolvência, um desafio para uma mente brilhante e de grande sensibilidade.

Minuto após minuto de conversa, fomos contornando os muros e te despindo de algumas das tuas armaduras.

Depois o tempo passou a voar…
E nenhum de nós queria dizer adeus, ou a conversa… terminar.

Viciados, e “drogados” pelo encanto daquele encontro… assim continuamos a conversar sem dar pelo tempo a passar.

Durante toda a nossa conversa eu sempre procurei com palavras doces e meigas acariciar o teu sofrido coraçãozito de mulher.

Penso ter deixado em ti uma boa imagem.
Mas não sendo esta a tua fotografia…
Tu para mim, continuas sendo… Uma miragem.

Esta é a pequena e linda história vivida por nós num tempo sofrido e de desilusão
Tempo curto é certo, mas durante o qual muitos procuraram trabalho e pão.

Já enquanto tu repousavas…
Eu com a carícia das minhas palavras…
Tentava sossegar o teu coração.

Terei ou não conseguido…
Talvez sim... Talvez não.
Por agora não o sei…
Mas essa no presente é toda a minha aflição.

Como és? Como serás?
Não sei!
Só tu o saberás.

Não sei como és e porque te escondes… em imagens de sonho e ilusão
Sim…

• Não sei se és mulher pequena e leve como uma pena.
• Não sei se és mulher morena de boca sensual e pequena.
• Não sei se és loiraça e uma grande mulheraça.

Mas que interessa isso, se os teus sentimentos interiores me parecem verdadeiros e puros.

Por isso, sejas tu como fores…
Tenhas o corpo que tiveres, não te deves nessas imagens refugiar.
Acredita que com um pouco de incentivo, sempre haverá em ti um atractivo, para qualquer homem te desejar.

Como és? Como serás?
Não sei!
Por agora... Só tu o saberás.


s@si

0014 - O GRITO





Minha bela. Minha amada.
É no teu corpo de pele rosada que toda a minha fome é saciada.
E quando de ti, recebo carinho e dedicação, logo te dedico um amor de enorme dimensão.
Sou o predador, do teu sexo e do teu amor.
Mas também uma força pelo teu amor carente.
Sou homem, sou amante, sou envolvente.
Mas sempre me perco na emoção de te ver, presa benevolente.
É verdade, que eu… Sempre…
Procuro de um jeito ardente, despertar o teu desejo.
Mas como no amor, não gosto de pressas, eu, quanto sinto o teu sangue quente, logo te amarro entre os meus braços e te acalmo com um beijo.
Depois brincamos e recomeçamos. E num imenso prazer de novo nos banhamos.
Te estimulando e masturbando, vou ouvindo baixinho os teus gemidos.
E acredita minha querida, que cada um deles…
É uma nova canção nos meus ouvidos.
Mas por mais que tente resistir, eu!
No teu corpo de pele rosada….
Sempre fico aflito…
E por isso…
Nos momentos em que tu és melodia eu sou um desumano grito.
Um grito perverso, que se ouve em todo o universo.


S@SI



0013 - SE FOR ESSA A TUA VONTADE






Ao desejo de te amar e, de por ti… ser amado…eu, já sou subordinado.

Sem te ter, eu sempre vivo angustiado, e sempre experimento em cada dia que passa, muito sofrimento e dor.

Por isso.
Faz-me. Faz-me teu escravo de amor.
Me obriga a rastejar, a implorar, a sorrir e a chorar para te ter e para te amar.

Sabes bem o quanto te desejo.
Sabes bem o quanto sou louco pelo teu corpo e pelo teu beijo.

Por isso… desnuda-te.

Atira os teus lindos cabelos para um lado, e me oferece o teu belo pescoço, para que nele… eu seja, todo o teu alvoroço.

Ai de ti…
Se eu, no teu quarto agora entrasse e, nos meus braços te tomasse.

Ai de ti…
Se se a minha língua agora o teu corpo palmilhasse e acariciasse.

Ai de ti…
Se a minha saliva com a tua num beijo se misturasse.

Ai de ti…
Se o meu apêndice físico nas tuas pernas entrasse e todos os segredos do teu sexo me revelasse.

Ai de ti…
Se eu agora, o teu corpo roçasse, a tua pele esfregasse, o teu fogo libertasse, se em ti me envolvesse e entrelaçasse.

Ai de ti… se eu agora a mim te aprisionasse.
E assim, presa a mim… te deixasse entre as minhas pernas, todo o tempo que eu demorasse a te fazer mulher.

Depois!
Quando nos dois, mais desejo não houver, eu te devolverei á liberdade, se essa for a tua vontade.


S@SI