30 novembro 2010

011 - BACTÉRIA PERIGOSA





O início de 1980 dois patologistas australianos observaram que uma bactéria até então desconhecida colonizava a parte inferior dos estômagos das pessoas que sofriam de gastrite ou de úlceras. 
Assim, cultivaram-na e deram-lhe o nome de:
(Helicobacter pylori).
Hoje em dia, a maioria das pessoas ainda pensa que as úlceras são causadas pelo stress. 
Mas o que Marshall e Warren, patologistas australianos sugeriam foi que essa condição fisiológica comum, semelhante a uma borbulha ou ferida, podia na realidade ser uma doença infecciosa – não tinha precedentes na medicina moderna. 
A explicação médica na época era que o stress desviava o sangue do estômago, o que reduzia a produção do seu revestimento mucoso protector.
Isto iria gradualmente deixando o tecido vulnerável ao ácido do estômago, e o resultado seria uma úlcera. 
Marshal decidiu então tornar-se na sua própria experiencia, testando a bactéria em si mesmo.
Bebeu uma cápsula cheia de bactérias, e rapidamente adoeceu com uma crise de gastrite aguda.
Depois curou-se com série de antibióticos.
Ficou assim provado que aquilo que a medicina tinha como facto estava errado.
Estes dois patologistas australianos foram em 2005 galardoados com o Prémio Novel da Medicina.
A Helicobacter pylori está presente em metade da população humana.
Geralmente é contraída na primeira infância e pode permanecer no estômago uma vida inteira. 

A helicobacter pylori e o óleo de coco


Vários estudos, nas últimas décadas, demonstraram a acção dessa gordura benéfica, (ácido Láurico) abundante no óleo de coco, sobre diversos micro organismos, ou agindo como um “antibiótico natural”, ou neutralizando toxinas por eles produzidas. 


Cabe destacar a acção sobre a Helicobater pylori, bactéria relacionada à gastrite crónica e factor de risco para o cancro de estômago.

O teste para o seu despiste é fácil e barato...

003 - ÀZURARA E O IMPOSTO DO NABO





Azurara.
É uma das mais antigas povoas marítimas da costa de Entre Douro e Minho, tendo competido durante muito tempo com Vila do Conde na pesca e no fabrico de embarcações.
Em 1385, D. João I concedeu Azurara à cidade do Porto mas a vila continuou a eleger a sua câmara.


Nessa época uma grande parte da vila era foreira das claristas já que muitas das casas haviam sido construídas nos chamados Nabais que pertenciam ao convento.
No século XIII os pescadores preferiam descarregar o seu pescado na sua margem, escapando assim aos pesados impostos de Vila do Conde.
Na Azurara os pescadores apenas tinham de pagar às freiras claristas do Convento de Santa Clara, como imposto…um peixe por cada navio de pesca que entrasse no Porto.
Era o chamado imposto do nabo
Foi em 1836 que a vila deixou de ser sede do concelho, integrando-se no de Vila do conde.
A praia da Azurara é um extenso e ameno areal sem rochedos que desde novo sempre me encantou.
Como alguém já disse – 
Eu também já fui muito feliz na Azurara e nas corridas de Vila do Conde.

28 novembro 2010

SOZINHO ENTRE A MULTIDÃO




Nesta minha idade tão dolorida, eu já não devia sofrer assim…
Mas que fazer minha querida! 
Se a teu lado…
 já não há lugar para mim.